Texto: Lucas

Filme de grande apelo emocional, Sociedade dos Poetas Mortos tem uma mensagem muito clara: é preciso pensar a partir de nossas próprias reflexões.
A obra se refere ao ano de 1959, quando o novato professor John Keating (Robin Williams) chega até o tradicional e ortodoxo colégio Welton Academy. Lá os ensinamentos de Keating instigam os alunos a se libertarem das prisões do pensamento e do comportamento.

Mas a influência do professor causa grande choque com a cultura opressora do colégio e da própria sociedade americana da época.
Um dos alunos de Keating, Neil Perry (Robert Sean Leonard ) se enche de coragem e decide reativar um antigo clube de literatura, a Sociedade dos Poetas Mortos. Numa caverna aos arredores do colégio Neil e seus amigos dão vazão às suas expectativas, ilusões e pensamentos, à sombra dos versos de diversos poetas.

Neil quer ir mais longe, seu sonho é atuar. Mas o pai dele é radicalmente contra. Depois do aluno estreiar numa peça contra a vontade de seu pai, num ato de desespero e desilusão, Neil acaba com a própria vida. As cenas são marcantes e a mensagem do filme é muito extensa. Mas, ressalto nessas linhas que Sociedade dos Poetas mortos é uma obra que quer mostrar o quanto é necessário sair dos moldes estabelecidos para ter idéias originais e se tornar livre também. No entanto essa liberdade tem preço, e a responsabilidade talvez, possa ser uma das chaves para o sucesso do carpe diem

Enfim, assistir esse filme é uma questão de ganhar muito em cultura e lição de vida. Aproveitem!05-10-17_04[1]

Anúncios