Na foto de Marta Castilhos, o palco da 1ª edição do Festival, em 2009

Minas abre suas portas e exibe tradições, culturas e musicalidade

Por: Andreza Lima, Juliano Rodrigues, Lucas Magalhães, Matheus Pissolatti, Pedro Monteiro

Da janela, muito mais que igrejas, grades e velhos sinais. Nas esquinas, presente e passado se encontram. Tanta juventude, tantos sonhos, afinal, eles não envelhecem. O Show Paraíso (ver abaixo) virou Festival Música do Mundo, e com ele o resgate das tradições de Minas Gerais.

Nas ruas e praças de Três Pontas, terra de Milton Nascimento e Wagner Tiso, cultura e música se encontram com a hospitalidade mineira e se espalham pelo mundo. De 8 a 12 de setembro, a cidade será sede da 2ª edição do Festival, onde artistas consagrados e anônimos se unem em um espetáculo que encanta gerações. Cerca de 500 pessoas se empenham para a realização de uma viagem cultural.
Exposições, artesanatos, cinema, culinária, futebol e música são algumas das atrações. Bares e restaurantes serão palco de artistas nacionais, relembrando o início da trajetória dos homenageados – Wagner e Milton – e de tantos outros.
No palco principal, nomes consagrados e novos talentos estarão misturados, como Gilberto Gil, Jorge Vercillo, Sá & Guarabyra, Mallu Magalhães, o cubano Pablo Milanês, Wagner Tiso e Milton Nascimento.
Em seu novo CD “… E a gente sonhando”, ‘Bituca’ alimenta o sonho de músicos locais. Foi na noite trespontana que Milton buscou artistas para se juntarem a ele no novo álbum que será lançado durante os dias de espetáculo em Três Pontas.

Segundo Maria Dolores, organizadora do evento, o investimento total é de aproximadamente R$ 1 milhão. Na 1ª edição, em 2009, a arrecadação total não foi suficiente para cobrir os custos, o que gerou prejuízos. Daí a necessidade de bilheteria para apresentação principal. Este ano, a produção encontrou ainda mais dificuldades, pois devido ao período eleitoral, não puderam contar com a colaboração de alguns parceiros. Mas Maria afirma, “a intenção é de um dia todos os eventos serem gratuitos à população”. Os ingressos variam entre R$ 35 e R$ 60 e são cobrados apenas no sábado (11).

Show Paraíso – Woodstock Mineiro

Em 1977, Milton Nascimento reuniu grandes amigos em um show que marcou a história de Três Pontas. Músicos como Chico Buarque, Fafá de Belém, Gonzaguinha se apresentaram no Paraíso, que “é como a cidade chama o local, espécie de mirante onde as pessoas vão ver o pôr-do-sol”, conta Maria. Na ocasião, o show não contava com tantos fãs, por isso comida e bebida não foram suficientes para atender todo o público. A imprensa da época logo fez a associação com o episódio da fazenda Bethel no Estado de Nova York (EUA), em 1969, o revolucionário Festival Woodstock.

Bituca e Tiso são os anfitriões do festival. Foto: Thiago Nascimento

[

Cifras no palco e no bolso

Enquanto a música contagia quem vai ao centro de eventos para assistir às apresentações, outra movimentação também chama a atenção, durante os dias de Festival .
Em 2009, a Associação Comercial e Agro Industrial (ACAI) de Três Pontas estimou que pelo menos R$ 700 mil foram movimentados em quatro dias de música. Segundo o presidente da entidade, Ralf Duarte, o montante representa 10% de tudo que o comércio local consegue arrecadar em um mês. Já os dados da secretaria municipal de Fazenda apontam que este valor corresponde a 1% de todo recurso de impostos que o município absorve em média, mensalmente.

Os lucros de 2009 fizeram vários comerciantes se prepararem para este ano, já que a expectativa para 2010 é que pelo menos outros R$120 mil sejam acrescentados ao valor do ano passado. Em média, o turista do Festival gasta R$ 40 por dia em serviços e produtos, valor que é multiplicado por pelo menos quatro familiares. Ralf explica que o estilo musical atrai fãs, seus filhos e netos para a cidade.

Há pouco mais de um mês do início do festival, a intensidade do potencial turístico do evento pode ser percebida pela completa falta de vagas nos hotéis e pousadas da cidade. No hotel da dona Dagmar Reis Vilela, por exemplo, as reservas começaram a ser feitas em fevereiro – para os seus 52 apartamentos. Ela espera que pelo menos 100 pessoas fiquem hospedadas por lá.

No hotel de Luis Marcelo Loures, o investimento precisou ser maior, ele criou outros cinco apartamentos, instalou internet sem fio para todos os quartos, ampliou o estacionamento e trocou os aparelhos de televisão. O proprietário também comprou camas novas para as acomodações. A diária na cidade varia entre R$ 35 e R$ 50.
Mas ainda é possível se hospedar em Três Pontas. Vagas em casas particulares são oferecidas através do site do evento: www.festivalmusicadomundo.com.br

Outro ponto que chama a atenção é a abertura de empregos temporários no comércio. Em 2010, são esperados a criação de pelo menos 100 novos postos de trabalho para atender a demanda. Outros 200 empregos também são garantidos para montagem das estruturas de apresentação.
A Prefeitura, atenta aos lucros, preparou para este ano uma novidade para facilitar a vida e atrair quem vem de longe. Foi inaugurado dia 26 de agosto um centro de informações ao turista. O local está instalado, estrategicamente, no coreto da igreja matriz de Nossa Senhora D’Ajuda. Keyre Ferreira, turismóloga da prefeitura explica, “todo mundo que vem de longe para uma cidade pequena busca informações na praça da igreja, então é ali mesmo que pensamos em criar um centro de informações”. Cerca de 20 mil turistas são aguardados para os dias de Festival.

Na foto Três Pontas em vista panorâmica

Ecos da Esquina

Uma história exemplifica bem o espírito desse festival. No início da década de 80, dois jovens se conheceram em uma república de estudantes em São Paulo. Nesta casa só se ouvia músicas do Clube da Esquina, que acabou se tornando a trilha sonora do casal Maria Cristina Jaccoud Macarini e José Marcos Campos Macarini.
Em 2007, quando completaram 25 anos de casamento, os dois decidiram viajar à Belo Horizonte para conhecer os lugares em que a turma do Clube se reunia. Na volta, passaram por Três Pontas para visitar o Museu e Fã Clube do Milton Nascimento. Fizeram muitas amizades por lá, desde então nunca mais deixaram de visitar o Sul de Minas.
Atualmente, Maria Cristina e José Marcos são empresários em Campinas- SP e vão viajar cerca de 350 km para prestigiar o Festival pela segunda vez. As vagas deles no hotel estão reservadas desde fevereiro. Para o casal, Milton Nascimento é o ícone maior. “A energia que ele passa é inexplicável. Suas músicas propagam o amor e um bem maior. O Festival Música do Mundo resgata a oportunidade de podermos curtir canções de qualidade”, conta Maria Cristina. No Orkut (site de relacionamentos), a empresária faz parte da comunidade virtual “Nós somos Clubeiros”, que possui mais de 1.300 participantes. Esta turma se encontra sempre nos shows dos artistas que acompanharam Milton e Lô Borges na década de 70. A identificação é tão grande que, a cada fim de ano, eles realizam até amigo secreto. “O legal é que pessoas que gostam do mesmo tipo de música tem uma afinidade muito grande.”, finaliza Maria Cristina.

Um passo além do Festival

Tiso e Banda. Foto Marta Castilhos

Capaz de influenciar na cultura da cidade, o Festival também contribui para iniciativas na área social. Um exemplo é o grupo musical ‘Meninos da Vila’. Apesar de não evidenciar a trajetória de Milton Nascimento, jovens carentes tocam instrumentos de percussão e tambores. É uma das atrações do evento deste ano. A cidade conta ainda, com o conservatório municipal de música, a escola de música pró-arte e a Corporação Luiz Antônio Ribeiro. Outros importantes trabalhos relacionados a Milton são realizados pela APAE, todos são aplaudidos pelos que visitam Três Pontas .
Desde o primeiro Festival, as escolas municipais vêm mobilizando seus alunos numa ação educativa de resgate da identidade cultural. Quase 14 mil alunos de todas as escolas de Três Pontas levantaram assuntos relacionados à vida, obra e música de Nascimento e Tiso. Este ano o tema será “A música e grupos folclóricos de minha cidade”.
Para Felipe Duarte, Diretor Executivo e Coordenador Geral do Festival Música do Mundo, existe a preocupação de envolver a comunidade. “É a maneira que encontramos das pessoas participarem do projeto. No ano passado, funcionários de uma empresa que faz a coleta de lixo em Três Pontas, trabalharam diretamente na composição do cenário. Já este ano, alunos que fazem parte de um projeto social estão envolvidos nesse processo, aprendendo valores através de oficinas com artistas plásticos, sob coordenação do cenógrafo Keller Veiga, da Rede Globo”, ressalta. Duarte ainda é diretor do grupo Anima-Minas, mais uma iniciativa da musicalidade e preocupação de Milton com a cultura em Três Pontas.

Anima-Minas

Ivans Lins (foto), Lenine e Lô Borges foram algumas das atrações de 2009. Foto: Marta Castilhos

[O grupo foi criado em 2006, quando Milton Nascimento convidou alguns músicos de Três Pontas para gravar a canção Paciência, de Lenine. A música foi incluída como uma faixa bônus no DVD Pietá. A partir daí, alguns destes músicos passaram a se reunir e participaram de um show no Canecão, Rio de Janeiro.

As oportunidades continuaram aparecendo e, de uma homenagem ao Milton, o Anima se firmou como um grupo musical. Recentemente eles participaram da gravação do próximo CD do Bituca, que será lançado no Festival deste ano. Atualmente o Anima tem 15 integrantes, todos trespontanos ou com alguma ligação com a cidade.

Na Três Pontas dos romeiros e sua devoção ao Beato Padre Victor, na terra dos trabalhadores da colheita de café, a união de tantos talentos com o povo e sua história vai além do Festival. É união de almas, de ânimos, de vozes. É a canção que quer unir as Américas, é o respeito entre os povos. É a música do mundo.

Anúncios